A importância da certificação de fitas isolantes

Por Giuliano Zorzetto Pelissari

 

Em uma instalação elétrica, a qualidade dos produtos utilizados é de fundamental importância para o bom funcionamento, além de garantir a segurança das pessoas e dos animais domésticos. Para se ter uma ideia da importância de escolher produtos com a qualidade atestada, alguns dados são alarmantes: incêndios ocasionados por curto-circuito ou sobrecargas no Brasil cresceram de 295 casos em 2014 para 441 casos em 2015, um aumento de quase 50% no período. As mortes infelizmente apresentaram um aumento significativo, de 20 para 33 mortes, ou seja, um crescimento de mais de 60% nesse período, de acordo com a Abracopel.

Em uma instalação elétrica, deve-se eliminar todos os possíveis riscos que podem levar a uma situação de curto-circuito, sobrecarga e incêndio elétrico. A primeira etapa é realizar um projeto elétrico e dimensionado adequadamente por um profissional gabaritado e de acordo com as cargas envolvidas (equipamentos elétricos ou eletrônicos, lâmpadas etc.).

A segunda etapa seria a escolha de um profissional competente, que vai realizar a instalação elétrica de acordo com o projeto. É essencial que o profissional do projeto e o eletricista conheçam a norma ABNT NBR 5410/04, que é a norma de instalações elétricas de baixa tensão, proteção e segurança.

A terceira e última etapa, e não menos importante, é a escolha dos materiais envolvidos na instalação elétrica, como cabos, fios, disjuntores e, principalmente, fitas isolantes. Acredito que você pensou em usar produtos certificados em todos os itens, menos nas fitas isolantes. Sabia que, assim como existem normas para certificação de disjuntores, também existe uma norma para atestar a qualidade de fitas isolantes sensíveis à pressão?

A fita isolante é responsável por realizar a proteção e isolação das emendas dos fios elétricos da sua instalação. É fundamental que o produto seja de boa qualidade, pois será responsável pela integridade da isolação do cabo, devendo funcionar e atuar como continuidade desta isolação.

A norma ABNT NBR NM 60455-3-1 é responsável por assegurar que uma fita isolante de PVC atenda os padrões mínimos de qualidade, e que somente sua certificação comprova que o produto está atendendo os padrões de qualidade exigidos pela norma. A certificação pode ser facilmente observada em sua embalagem, por meio do logotipo do órgão certificador. A norma também divide as fitas isolantes em três diferentes classes: A, B e C. Com a classe A no topo.

Um fio elétrico em uma instalação residencial trabalha em regime normal de operação em temperatura de até 90 graus. Essa é condição mínima que uma fita isolante deve suportar para as três classes definidas pela norma.

Porém, o que acontece se utilizarmos um produto de baixa qualidade ou mesmo qualidade duvidosa nos pontos de emenda dos fios elétricos? A resposta é que podemos colocar em risco a integridade e a segurança da instalação elétrica, na qual podem ocorrer curtos-circuitos ou um princípio de incêndio devido às sobrecargas.

A norma ABNT NBR NM 60455-3-1 possui 21 seções, das quais 15 são requisitos. Ou seja, 15 ensaios que vão desde o controle de espessura, adesão ao aço, adesão ao dorso, resistência à propagação de chamas, até ensaios que envolvem acondicionamento em câmara climática.

Ainda falando das classificações A, B e C, a A é a categoria de uso profissional, cuja norma especifica uma espessura mínima maior que 0,18mm e uma taxa de alongamento mínimo de 175%. A classe B, de uso geral/industrial deve ter uma espessura mínima maior que 0,15mm e uma taxa de alongamento mínimo de 150%. A classe C, de uso geral/doméstico deve ter uma espessura mínima maior que 0,12mm e uma taxa de alongamento mínimo de 125%. Os valores de adesão ao aço e ao dorso também aumentam seu rigor partindo da classe C para a classe A.

Qual o tipo de fita isolante que devo escolher para atender as minhas necessidades?

 

Geralmente, há dúvidas de qual fita isolante escolher na hora da compra, pois os preços podem variar bastante, assim como seu desempenho. Alguns atributos podem ajudar o consumidor na hora da escolha. O primeiro ponto de verificação é se atentar se a fita isolante de PVC está em conformidade com a norma ABNT NBR NM 60454-3-1, verificado na embalagem do produto. Se a fita tiver certificação, essa é a garantia que a fita atende aos padrões estabelecidos pela norma.

Um outro ponto importante é verificar se a fita está isenta de metais pesados em sua composição, que podem causar problemas a saúde dos usuários. Isso também pode ser verificado na embalagem pelo atendimento a norma europeia RoHS.

Existem algumas diferenças entre as classes das fitas isolantes que vão além das informações já citadas. São diferenças que aparecem tanto na aplicação do produto quanto em seu desempenho após instalação. Uma fita de Classe A, de uso profissional, possui um atributo muito diferenciado em relação a uma fita de Classe C, que é o efeito de memória elástica, onde podemos verificar uma resiliência superior nas fitas de uso profissional. Essa característica se traduz pelo fato dessas fitas acompanharem o movimento constante de dilatação e contração dos cabos de forma mais efetiva do que as fitas de uso geral.

Lembrando que quando há a passagem de corrente o cabo se dilata e quando não ele se contrai e volta a forma original. Em condições normais de operação, a fita de uso profissional acompanha esse efeito com maior rapidez e efetividade, não deformando ou ressecando ao longo do tempo.

A diferença também é notada na hora da aplicação da fita no cabo ou fio. Devido a sua maior taxa de alongamento, as fitas de uso profissional se moldam melhor na emenda, apresentando maior conformabilidade, evitando possíveis espaços vazios que podem comprometer a integridade da emenda ao longo do tempo. Em ambientes como banheiros, por exemplo, onde a umidade é bem alta, deve-se atentar para esse fator, dando preferência às fitas de melhor desempenho para evitar problemas a curto prazo.

A questão da aderência das fitas também é outro fator notório, tanto na aplicação quanto no seu desempenho ao longo dos anos. Em uma manutenção, quem nunca se deparou com uma emenda que está “melada” com adesivo ou mesmo se soltando do fio? Uma fita de uso profissional, geralmente, possui uma camada mais espessa de adesivo e, aliada ao seu dorso de melhor memória elástica, é a garantia de uma grande longevidade nas emendas.

Em geral, as fitas de uso profissional são concebidas para durarem tanto quanto a vida útil do cabo ou fio, evitando manutenções de tempos em tempos. Porém, as fitas de uso industrial, geral e doméstico se tornam mais atrativas, tanto em termos de custo quanto para aplicações específicas. Por exemplo, recomenda-se a utilização das fitas de uso industrial em lugares que necessitem de proteção mecânica de cabos, fios e ferramentas. Já as fitas de classe B e C se apresentam como uma ótima opção em locais onde a isolação do cabo pode ser danificada ou mesmo no puxamento de fios em um conduíte elétrico.

 


Giuliano Zorzetto Pelissari é engenheiro eletricista com especialização em telecomunicações. Ocupa o cargo de engenheiro Especialista em Aplicação na empresa 3M do Brasil, atuando com produtos e projetos no segmento de baixa tensão.


Voltar