Tem Webdebate hoje!

Ontem, por motivos de força maior, tivemos que adiar o Webinar.

Mas hoje tem Webdebate, a nova forma de participar e interagir. Você já se inscreveu?

Aproveite e garanta sua vaga. O assunto é Meu SPDA está na Norma antiga: devo adequar?

Clique aqui e inscreva-se.

Webinar de 29/07 ADIADO

O Webinar que estava previsto hoje terá que ser adiado, em função de um imprevisto com o nosso co-host Eng. João Cunha. Pedimos desculpas pelo ocorrido. Em breve, vamos divulgar a nova data.

ATENÇÃO! O Webdebate de amanhã continua válido.

Aproveite e garanta sua vaga!

Prédios da administração estadual da Bahia ganham sistemas de energia solar

O governo do estado da Bahia acaba de concluir a instalação de sistemas de energia solar em vários prédios mantidos pelo poder executivo. Trata-se do Programa de Eficiência Energética (PEE), uma iniciativa da Gerência Geral de Patrimônio, Arquitetura e Engenharia (GGPAE), ligada à Secretaria de Administração do estado.

Inicialmente, os geradores fotovoltaicos foram instalados em quatro edifícios da administração estadual. A adesão ao programa de eficiência energética também viabilizou a troca de lâmpadas fluorescentes por LED nesses locais. A economia anual na conta de luz estimada pela gestão pública baiana é de cerca de R$ 745 mil.

As edificações públicas beneficiadas no projeto foram a Escola Politécnica, vinculada à Universidade de Pernambuco (UPE), o Hospital Barão de Lucena, o Hospital Otávio de Freitas e o Hospital Getúlio Vargas. Neste último prédio, foram instaladas recentemente 182 painéis fotovoltaicos, com investimento no valor de R$ 1,3 milhão, sem custos para o Governo estadual.

Em declarações à imprensa, o secretário de Administração, José Francisco Neto, disse que, “além da preocupação em contingenciar gastos públicos, o Governo do Estado vem fomentando ações voltadas para a promoção da sustentabilidade”.

Segundo ele, “a questão do meio ambiente é um tema que deve pautar toda a sociedade, inclusive os governantes. Além de investimentos em projetos sustentáveis, temos que ter atitudes voltadas para preservação do planeta”, afirmou.

 

Para ler a matéria na íntegra, clique na imagem abaixo.

Bactéria conduz energia elétrica antes do surgimento da eletricidade

Pesquisadores acreditam que estas bactérias eletroativas contribuem para regular a química dos oceanos e da atmosfera.

Carl Zimmer, The New York Times
13 de julho de 2019 | 06h00


A era da eletricidade começou no dia 4 de setembro de 1882. Nesse dia (noite), a Companhia de Iluminação Edison ativou sua usina elétrica em Nova York, e uma rede de fios de cobre adquiriu vida, levando a corrente a algumas dezenas de edifícios. Mas a natureza já havia inventado a rede elétrica. Em 1882, já se encontravam instalados milhares de quilômetros de fios – em campos, salinas, nos fundos lamacentos de rios – construídos por micróbios, que os usavam para transmitir eletricidade. Estas bactérias eletroativas alteram inteiros ecossistemas, e podem ajudar a controlar a química da Terra. “Embora a ideia pareça muito louca, nós temos um planeta elétrico”, disse John Stolz, microbiólogo da Universidade Duquesne, na Pensilvânia.

Em meados dos anos 1980, Stolz estava estudando um micróbio pescado no Rio Potomac por seu colega Derek Lovley. O micróbio, Geobacter metallireducens, tinha um curioso metabolismo. Como nós, o Geobacter se alimentava de compostos de carbono. Quando as nossas células quebram estes compostos para gerar energia, elas removem os elétrons livres e os transferem para átomos de oxigênio, produzindo moléculas de água. Entretanto, o Geobacter não pode usar o oxigênio porque vive no fundo do Potomac, onde este elemento é extremamente escasso.

 

Leia a notícia na íntegra clicando na imagem abaixo…

Gigante chinesa de energia solar quer 20% do mercado brasileiro ainda neste ano

Nos últimos dez anos, a chinesa Trinasolar acumula 19 recordes mundiais no quesito taxa de eficiência dos painéis de energia solar. O momento não poderia ser mais apropriado para a empresa usar o diferencial tecnológico e tentar ganhar espaço no Brasil: o país vive uma corrida de consumidores atrás de painéis solares para fugir dos sucessivos reajustes das tarifas de energia elétrica. Por causa da seca nas principais bacias hidrográficas, a conta de luz deste mês de julho terá tarifa amarela, ou seja, haverá cobrança adicional de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Clique aqui para ler a matéria completa da Gazeta do Povo!