Quatro pontos de atenção para melhorar a eficiência energética nas empresas

Em razão das perdas por aquecimento de equipamentos e instalações elétricas, estima-se que uma parte significativa da energia gerada anualmente no Brasil seja desperdiçada. Isso poderia ser revertido pela melhora no aproveitamento e pelo uso racional das fontes de energia. O entendimento desse potencial de economia – de fazer mais com menos – é o que define eficiência energética.

Para que as empresas estejam alertas sobre como diminuir o consumo de energia, Glycon Garcia, engenheiro eletricista, diretor-executivo do Instituto Brasileiro do Cobre (Procobre), relaciona os pontos-chave para ganho de eficiência energética.

Iluminação

A eficiência energética na iluminação está diretamente relacionada ao tipo de lâmpada e luminária utilizadas. Por isso, o ideal é que seja feito um estudo luminotécnico para indicar as melhores opções em cada situação. Uma tendência que vem ganhando força no mercado a cada dia é o uso de lâmpadas LED. “A durabilidade de uma lâmpada LED equivale a de 50 lâmpadas incandescentes. Ela rende algo entre 20 mil e 100 mil horas, enquanto a vida útil da incandescente não passa de mil horas e a fluorescente entre 5 mil e 10 mil.”

De acordo com Garcia, as empresas conseguiriam diminuir o peso da fatura de consumo se planejassem esse sistema e adotassem, por exemplo, fotocélulas em fachadas, sensores de presença em locais de pouca movimentação, painéis solares fotovoltaicos, para aproveitar os recursos naturais, entre outros componentes.

Motores

A substituição de motores elétricos antigos por motores de alto rendimento, com maior presença de cobre, também é uma alternativa de economia no consumo de energia elétrica e aumento da produtividade nas empresas. Hoje, de acordo com Ministério de Minas e Energia (MME), os motores representam a maior parte do consumo da energia gerada no País. Grande parte desse consumo é explicado pela prática de recondicionamento, que torna os motores antigos menos eficientes. “Os motores de alto rendimento, com maior condutividade elétrica, diminuem perdas de energia e ainda têm a vantagem de uma maior vida útil, se comparados aos motores convencionais”, afirma Garcia.

De acordo com o diretor do Procobre, a venda de motores novos no Brasil equivale à quantidade de motores reformados. A cada reforma, estima-se que a perda de eficiência energética seja de até 3% e é comum um motor ser recondicionado mais de uma vez, aumentando o custo operacional e o desperdício de energia elétrica.“Além dos motores, sistemas elétricos e sistemas de controles de motores, geradores, transformadores de distribuição e até eletrodomésticos, se mais eficientes, poderiam contribuir para a redução do consumo de energia elétrica a um custo menor que a do investimento em geração de energia, diz o engenheiro. As empresas conseguiriam ainda reduzir custos de manutenção e aumentar a produtividade com a troca dos motores antigos por novos.

Instalações Elétricas

Ao conduzirem energia, as próprias instalações sofrem perdas elétricas. Atualmente, existe uma discussão junto à ABNT sobre quais os parâmetros que devem ser observados para redução dessas perdas. O diretor do Procobre chama a atenção para o uso de materiais de boa qualidade e também para o local de instalação de alguns componentes. “Quanto maior o comprimento de um cabo, maior a perda. Uma mudança de posição em relação ao item de maior consumo energético, em alguns casos, pode gerar economia.”

Garcia também faz o alerta de que pouco adianta ter instalações bem dimensionadas e equipamentos eficientes, se o uso não for racional. Por isso, a importância de criar bons hábitos no uso da energia elétrica, evitando desperdícios.

Climatização

Em um conceito abrangente, que engloba aquecimento, ventilação, ar-condicionado e refrigeração, a climatização é outro ponto-chave que deve ser observado sob o conceito de eficiência energética. No caso dos aparelhos de ar-condicionado, além do correto dimensionamento para o ambiente onde será instalado, um estudo pode identificar se é mais vantajoso para a empresa manter um sistema de ar-condicionado central ou distribuído, por exemplo. Outro item a ser observado é a classificação energética desses aparelhos, destaca Garcia. “Em uma escala de A (mais eficientes) a G (menos eficientes), os equipamentos são classificados levando em conta a relação entre capacidade e consumo.”

Programa Eletricista Consciente inaugura Nova Home

Você já deve ter percebido a primeira grande novidade de 2017 a estrear no Programa Eletricista Consciente: remodelamos completamente a home para torná-la mais fácil de usar e com mais informações! Agora, além do banner rotativo com os principais destaques, você também pode visualizar direto na página inicial as últimas notícias publicadas, para não perder nenhum detalhe! nova-home

Além da nova página inicial, também estamos lançando uma nova página de webinars e videos, separados por categorias. Agora você pode assistir, de uma só vez, todos os webinares sobre aterramento, por exemplo, sem dificuldade. Além disso, a nova página destaca o próximo webinar, para você não perder a inscrição, e um webinar passado que você não pode deixar de assistir.

Fique ligado nas redes sociais para saber dessas novidades antes de todo mundo: clique aqui e curta a página do Programa Eletricista Consciente no Facebook. 😉

Schneider Electric fecha parceria com Programa Eletricista Consciente para 2017

2016 foi um ano bastante intenso para o Programa Eletricista Consciente. Além do caminhão de novidades como fascículos, webinares, desafio do ano e muito mais, o programa também começou em 2016 a fechar parcerias com empresas do setor que tenham compromisso com a formação de profissionais conscientes e com a segurança das instalações elétricas.

É por isso que o pYAcYSMy8rograma fica muito feliz em anunciar que a Schneider Electric é a nossa mais nova parceira para 2017. Você já deve ter conferido alguns videos que disponibilizamos em nossa plataforma, mas agora a colaboração irá muito além disso: vamos garantir conteúdos relevantes, formadores e com qualidade para manter o programa sempre atualizado e com o que exista de mais moderno no mundo da elétrica.

A Schneider Electric é especialista global em gestão de energia e automação. Com receita de 26,6 bilhões de euros em 2015, equivalente a mais de R$ 115 bilhões, os mais de 160 mil funcionários atendem clientes em mais de 100 países, ajudando-os na gestão e processos de energia, a fim de que seja segura, confiável, eficiente e sustentável. Desde interruptores até sistemas operacionais complexos, a Schneider Electric tem tecnologia, software e serviços que melhoram a forma como os seus clientes gerenciam e automatizam suas operações.

Visite e conheça o site da Schneider Electric: Clique Aqui

Diretor Explica a Importância do Programa Casa Segura e os Riscos que Corremos em Casa

Entrevista com Antonio Maschietto Jr, coordenador do Programa Casa Segurafoto-antonio

Entrevista com Antonio Maschietto Jr, coordenador do Programa Casa Segura, mostra a importância de se realizar revisões periódicas das condições das instalações elétricas, a fim de se evitar curtos-circuitos e incêndios.

  1. Há quanto tempo existe o Programa Casa Segura e qual o seu principal objetivo?

O Programa Casa Segura foi criado em 2005 no Brasil e tem como objetivo conscientizar a população sobre os riscos das instalações elétricas inadequadas, tanto para as pessoas, como para o seu patrimônio.  Ao longo dos anos o Programa foi se expandindo, e atualmente está presente em outros países da América Latina, entre eles: Argentina, Colômbia, Chile, Peru e México.

 

  1. Na sua opinião, qual o principal problema hoje quando o assunto é revisão das instalações elétricas?

Infelizmente, grande parte da população brasileira não realiza revisões periódicas das instalações elétricas, o que torna problema agravante, uma vez que a maioria das pessoas vive em casas e prédios antigos. Imagine que 20 anos atrás, não havia a quantidade de eletrodomésticos e eletroeletrônicos que se possui atualmente. Essas instalações elétricas antigas não suportam a carga elétrica que a demanda de equipamentos atual exige, podendo assim acarretar em um curto-circuito, e por consequência um incêndio.

 

  1. Qual o risco que se corre ao ligar muitos equipamentos na mesma tomada?

Pelo fato de muitas casas não terem a quantidade de tomadas suficientes, as pessoas acabam recorrendo aos benjamins ou T’s, e ligando vários aparelhos em uma única tomada, que havia sido projetada para ligar somente um equipamento. Dessa forma, o risco de ocorrer uma sobrecarga é muito grande.

 

  1. Mas, essa sobrecarga pode acontecer se for ligado qualquer tipo de aparelho junto, ou existe alguns aparelhos onde o risco é maior?

É importante que, ao ligar vários equipamentos na mesma tomada a pessoa preste atenção na potência desses equipamentos. Por exemplo, se for ligado um microondas e uma geladeira juntos na mesma tomada, a probabilidade de acontecer um curto-circuito é muito maior, uma vez que ambos aparelhos tem uma potência elétrica muito alta, o que exige uma carga elétrica maior para funcionarem. É nesse momento que acontece a queda do disjuntor, ele desarma para “avisar” que há uma sobrecarga na instalação elétrica.

 

  1. Então, quer dizer que se o disjuntor desarma ou “cai”, o problema da sobrecarga é o disjuntor?

É aí que mora o perigo. Muitas pessoas pensam que trocar o disjuntor por um de maior amperagem soluciona o problema, sendo que na realidade o problema está detrás das paredes, nos fios e cabos instalados que não estão suportando a carga elétrica elevada que aqueles equipamentos estão precisando para funcionar. Eu costumo dizer que quando um disjuntor desarma ou “cai”, é um sinal de que a instalação elétrica dá de que alguma coisa está errada.

 

  1. De quanto em quanto tempo devemos revisar a instalação elétrica de nossos lares?

A Norma Brasileira de Instalações Elétricas de Baixa Tensão, NBR 5410:2004, sugere que a cada 5 anos seja feita uma revisão das instalações elétricas. Mas, antes disso, você mesmo pode realizar um diagnóstico visual da instalação, a fim de saber se já é o momento de fazer uma reforma. No site do Programa Casa Segura, há um diagnóstico visual que te ajuda a identificar potenciais problemas da instalação elétrica: http://programacasasegura.org/sua-casa/diagnostico/

 

  1. Para finalizar, qual a mensagem que você gostaria de deixar para os leitores do Programa Casa Segura?

Que você é responsável pela sua segurança e de seus familiares.  Portanto, não espere o pior acontecer, faça o quanto antes uma reforma das instalações elétricas de sua casa.

Conheça o Programa Casa Segura: http://programacasasegura.org/