5 Coisas que Você (e seus clientes) precisam saber sobre os Plugues

A decisão de compra de um eletrodoméstico geralmente é rápida: busca-se o aparelho desejado, lê-se o descritivo do produto – se a compra for on line – ou faz-se meia dúzia de perguntas ao vendedor, durante a visita a loja física. Voilà! Uma nova facilidade estará disponível para revolucionar o dia a dia do consumidor.

tomada-1024x536

Na prática, porém, a compra nem sempre é assim tão bem-sucedida. Isso porque foge ao habitual a atenção a algo indispensável: o plugue do aparelho a ser inserido na tomada. Segundo Hilton Moreno, engenheiro eletricista do Programa Casa Segura do Instituto Brasileiro do Cobre (Procobre), é recorrente o consumidor, depois de adquirir um bem, sentir-se frustrado ao perceber que o plugue do aparelho novo não encaixa na tomada que ele tem em casa ou no escritório. “Seria uma atitude simpática de fabricantes e revendedores de eletrodomésticos e portáteis identificar claramente se o plugue da tomada do equipamento é de 10 A ou 20 A”, diz o especialista.

Para estar alerta na hora da compra e na utilização do aparelho, Moreno relaciona cinco pontos de atenção.

1 – Reconhecimento do Plugue
Boa parte dos aparelhos eletroeletrônicos, aqui incluídos televisores, aparelhos de som, liquidificadores, batedeiras, furadeiras, telefones sem fio, possuem plugues de 10 A (ampères). “Ampères representa a intensidade de uma corrente elétrica e o ideal é que ainda antes da compra essa informação seja dada ao consumidor. Quando esse não é o caso, para descobrir a corrente (popularmente chamada de “amperagem”) de um eletrodoméstico, basta dividir a potência (watts) pela tensão (volts)”, explica Moreno. Outra forma de identificar a corrente é a observação do plugue. Os pinos dos plugues de 20 A têm diâmetro maior – são mais grossos – do que os de 10 A e mais usuais em eletrodomésticos de maior potência, como fritadeiras sem óleo, microondas, secadoras de roupas, aparelhos de ar-condicionado, ferros de passar roupas e alguns modelos de secadores de cabelo.

2 – Plugue de 20 A requer tomada de 20 A
Em razão do diâmetro maior dos pinos dos plugues de 20 A, não é possível encaixá-los nas tomadas de 10 A. Tentar forçar esse encaixe não é uma atitude prudente, assim como tentar resolver o problema com um adaptador com entrada de 20 A e saída de 10 A. “Esses adaptadores não são certificados!”, sentencia Moreno. Além de risco de queima do adaptador, da tomada e do aparelho, há perigo de choque elétrico e de curto-circuito, que comprometa toda a instalação elétrica da residência, afirma o consultor do Programa Casa Segura, do Procobre. “Os adaptadores poderão aquecer além de seu limite ao longo do tempo, derreter ou mesmo ser fonte de incêndios, causando danos ao imóvel e colocando em risco a integridade dos moradores da casa.”

3 – Fiação apropriada para o plugue de 20 A
A determinação da bitola apropriada dos condutores elétricos dos circuitos que alimentam as tomadas depende de alguns aspectos, tais como a potência dos aparelhos que serão ligados e o comprimento da fiação. Em algumas situações específicas, a bitola dos fios que alimentam tomadas de 10 A pode até ser a mesma de tomadas de 20 A, mas isso não é uma regra fixa. Esse cálculo deve ser realizado caso a caso por um profissional qualificado. O certo é que, conforme norma da ABNT, a bitola mínima de qualquer circuito que alimenta tomadas é 2,5 mm2.

4 – Segurança no uso de aparelhos com plugue de 20 A
Quando um eletroeletrônico possui um plugue de 20 A, a única maneira segura de mantê-lo funcionando sem correr o risco de choque ou incêndio é a troca da tomada de 10 A pela tomada de 20 A. É fácil fazer a substituição e indispensável o cuidado de desligar o quadro geral de força antes de fazer a troca. Também deve ser verificada se a bitola dos fios que chegam na tomada é adequada para o novo aparelho ou também precisará ser trocada.

5 – Plugue de 20 A com três pinos
O terceiro pino de um plugue corresponde ao condutor de proteção (“fio terra”). Por norma, todas as tomadas precisam ter três furos, mas os plugues podem variar e ter dois ou três pinos. Essa variação no número de pinos do plugue depende da classe de proteção do aparelho contra choque elétrico. Aparelhos ditos blindados, isto é, que possuem dupla isolação interna contra choques elétricos, possuem apenas dois pinos no plugue. Os que possuem apenas uma isolação interna trazem o terceiro pino no plugue para encaixe no terceiro furo da tomada. Nesses aparelhos com três pinos, sob nenhuma circunstância, o terceiro pino deve ser removido ou inutilizado. Isso anularia a proteção do eletrodoméstico contra choques e deixaria o usuário exposto ao risco.

Fonte

Desafio do Eletricista chega ao fim e já sabemos quem é o Eletricista Consciente do Ano!

 Desde o começo do ano, você participou e acompanhou o Desafio do Eletricista. A primeira etapa durou 10 rodadas, que se estenderam por seis meses, e testou os conhecimentos dos participantes do programa sobre os mais diversos temas da elétrica e das seguranças das instalações. Mais de mil eletricistas participaram dessa etapa e se dedicaram nos desafios propostos pelos organizadores do programa.

 

 

Somente os 80 melhor colocados, ao longo dos seis meses, foram selecionados para participar da segunda etapa, com perguntas dissertativas e elaboradas, mostrando situações reais que os profissionais encaram no dia-a-dia e quais seriam os passos para resolver o problema proposto. Desses profissionais, os cinco melhores foram convidados para a Etapa Final, que foi realizada nesse sábado, 10/12, no SENAI COMENDADOR SANTORO MIRONE, referência em eletricidade para todo o Brasil.

 

Foram selecionados para a Etapa Final os eletricistas:

 

Nome Cidade/UF
Azemar Siqueira da Silva São Paulo / SP
Lucas Bittar Barbosa Niterói / RJ
Arildo Jandre Lopes Cabo Frio / RJ
Isaque Martins de Oliveira São Paulo / SP
Jailton Soares dos Santos São Paulo / SP

 

Com exceção do Lucas, que não pode comparecer, todos os participantes foram recebidos em Indaiatuba, visitaram a fábrica da 3M de Sumaré para conhecer as novidades da fabricante e depois seguiram para o SENAI desenvolver a Etapa Final.

 

 

A Etapa Final foi a temida prova prática: os participantes deveriam, em boxes individuais, montar e desenvolver uma instalação elétrica com diversos itens que precisam ser seguidos à risca, como organização, limpeza, cuidado com ferramentas, uso correto dos EPIs, finalização das etapas e diversos outros itens que são importantes para a segurança. Na prova, exigiu-se a instalação de tomadas, interruptores, lâmpadas, disjuntores, DR, DPS e um temporizador.
Tudo é observado de perto pelos professores do SENAI e a coordenação do projeto Eletricista Consciente, tento a Abracopel como supervisora de todas as etapas.
Depois de muito suor, centenas de metros de condutores e horas de tensão, foi escolhido o vencedor: Jailton Soares dos Santos é o Eletricista Consciente do Ano!

 

 

Jailton é eletricista de profissão e, consciente que quem fica parado perde bons negócios, nunca deixou de se atualizar, e encontrou no Programa Eletricista Consciente uma maneira fácil e prática de adquirir novos conhecimentos, se atualizar com o mercado e colocar seus conhecimentos a prova! Parabéns, Jailton!
Ficou empolgado para ser o próximo Eletricista Consciente do Ano? Então continue acompanhando as novidades do programa e o Desafio do Eletricista 2017. 😉

Veja abaixo o depoimento do nosso grande campeão!

Chuvas fortes com raios aumentam risco de acidentes com energia elétrica

A chuva incessante, com rajadas de vento e incidência de raios, vem promovendo estragos em diversas cidades do País. Durante os temporais é mais comum a queda de árvores e o rompimento de fios da rede elétrica, expondo quem está em trânsito e até mesmo dentro de casa a acidentes com energia.
Não raras vezes, as vítimas de choques-elétricos deixam de adotar comportamentos que evitam a exposição ao risco, como buscar abrigos em áreas cobertas ou evitar usar aparelhos eletroeletrônicos conectados por cabo.

reduzido_shutterstock_350803748

“O perigo das chuvas fortes com raios se estende às residências porque os raios podem recair sobre a rede elétrica, gerar sobretensão e se propagar pela rede”, alerta o engenheiro eletricista do Programa Casa Segura, do Instituto Brasileiro do Cobre (Procobre). Nesse caso, segundo o especialista, a rede, normalmente de 110V ou 220 V, ao receber uma descarga mais alta tem um pico de energia que percorre o cabeamento até o imóvel, ocasionando a queima de eletrodomésticos e colocando em risco de choque-elétrico quem estiver fazendo uso do chuveiro ou telefone fixo.

Para evitar acidentes e diminuir o risco de choque-elétrico durante as chuvas fortes acompanhadas de raios e ventania, Moreno alerta sobre as precauções a tomar.

Na rua:

1) Não se aproxime, sob nenhuma hipótese, de fios rompidos nem toque qualquer tipo de cabo solto ou partido.

2) Busque abrigo imediatamente, em estabelecimentos comerciais ou outras áreas de alvenaria, cobertas.

3) Não fique debaixo de árvores ou estruturas metálicas.

4) Nunca tente atravessar áreas alagadas. Caso um cabo de alta tensão tenha se rompido e ainda esteja energizado, estando na água, a pessoa poderá receber uma descarga forte. A água das enchentes conduz eletricidade facilmente e, dependendo da tensão da fiação da rede elétrica e da proximidade do pedestre com o cabo energizado o choque pode ser fatal, mesmo sem tocar na fiação.

5) Evite áreas abertas como praias, lagos, rios, parques, praças, quadras e campos de futebol durante os temporais com raios. Nessas áreas há perigo real de ser atingido por uma descarga elétrica.

6) Não toque pessoas ou objetos que estejam em contato com a rede elétrica.

7) Afaste-se de cercas e quaisquer outras estruturas metálicas. Caso não estejam aterradas e haja uma descarga elétrica, o contato com essas estruturas pode representar risco de choque-elétrico grave.

8) Caso um fio caia sobre o veículo, permaneça dentro do carro.

9) No caso de alagamentos, a casa atingida por inundação pode ter suas instalações elétricas comprometidas, com danos às partes metálicas dos dispositivos elétricos ou deterioração da isolação dos fios e cabos elétricos. Portanto, imediatamente após a inundação:

i – Desligar a chave geral do imóvel.

ii – Fazer a limpeza dos pontos de energia afetados pela água, retirando o barro e limpando interruptores, tomadas, caixas e fiações. Não utilizar água ou produtos químicos para essa limpeza, dando preferência ao uso de um pano úmido. Secar na sequência com um pano seco.

iii – Quando há incidência de raios, a rede elétrica pode ser atingida. Nesse caso, ocorrendo uma sobretensão da rede elétrica da rua, ela pode chegar às residências, ocasionando a queima de aparelhos conectados às tomadas, independente de ligados ou não.

Em casa:

1) Desligue todos os equipamentos eletroeletrônicos, retirando-os da tomada.

2) Adie o uso do telefone, da TV e da internet por cabo, pois uma descarga elevada pode percorrer essas fiações. Também não faça uso de secadores, chapinhas ou ferro elétrico.

3) Evite ligar o chuveiro elétrico, pois caso haja uma sobretensão no circuito elétrico do chuveiro, uma parte da descarga elétrica pode ser transferida para a água, colocando quem estiver no banho em risco de choque elétrico grave. A recomendação vale também para torneiras elétricas.

4) Desligue os fios de antena dos aparelhos. Uma sobretensão também pode se propagar por esses fios, danificando aparelhos eletroeletrônicos.

5) Não faça uso de secadores, chapinhas ou ferro elétrico durante.

6) Afaste-se de portas metálicas, janelas e tomadas.

7) Renove as instalações elétricas a cada 10 anos e certifique-se de que haja um sistema de aterramento adequado instalado na residência, que inclua o fio terra, além do dispositivo DPS (protetor de surto). Isso reduz os riscos de queimas de equipamentos eletroeletrônicos por surtos de tensão provocados por raios e aumenta a segurança dos moradores.

Atenção: atualize hoje mesmo seu app APOIE. Saiba como…

Desde que lançamos o APOIE – Aplicativo para Orçamentos de Instalações Elétricas – já colocamos no ar diversas atualizações para melhorar e ampliar a capacidade do aplicativo. A partir do feedback de vocês também podemos reparar bugs, corrigir erros e aumentar o número de dispositivos compatíveis com o aplicativo, para que você possa usar ele no seu dia-a-dia sem nenhum problema. Porém, para aproveitar todas essas novidades, é preciso ficar atento e atualizar o aplicativo sempre que uma nova atualização estiver disponível. Recomendamos que você também deixe configurado para que o app atualize automaticamente, assim você não precisa se preocupar! Veja como fazer no tutorial abaixo:

 

A atualização do aplicativo deixará meu celular mais lento?

Nenhuma atualização do aplicativo APOIE irá deixar seu celular mais lento, pelo contrário: a cada atualização o aplicativo roda com mais velocidade e agilidade no seu aparelho.

 

Como faço para atualizar?

Atualizar é muito simples. Basta você acompanhar as notificações da Play Store que aparecem no seu celular avisando que uma nova atualização está disponível. Você também pode verificar manualmente seguindo os passos abaixo:

  1. Abra o app Google Play Store Play Store.
  2. Toque no ícone de menu Menudepois Meus apps e jogos.
  3. Os apps com atualizações disponíveis são exibidos com a mensagem “Atualizar”.
  4. Toque em Atualizar tudo para atualizar todos os apps. Para atualizar apps individuais, encontre o app desejado e toque em Atualizar.

ATENÇÃO: Evite apagar o App anterior ao atualizar. Se você fizer isso, vai perder todos os dados cadastrados. Opte sempre pela atualização indicada acima.

 

Como faço para atualizar o APOIE automaticamente?

Para configurar individualmente as atualizações de apps no seu dispositivo:

  1. Abra o app Google Play Store Google Play Store.
  2. Procure pelo app APOIE na barra de busca.
  3. Selecione o app APOIE
  4. Toque no ícone de mais Mais (os três pontinhos que ficam na parte superior direita da tela)
  5. Marque a caixa ao lado de “Atualização autom.”.
  6. Pronto!

app-atualizar